Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, VILA NOVA CONCEICAO, Homem, de 20 a 25 anos, Italian, Arte e cultura, Cinema e vídeo



Histórico


Categorias
Todas as mensagens
 Link
 Citação


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Devaneios e epifanias - da Bruna, blog "de fato"
 VINÍCIUS, imenso poetinha
 Cae, filho da dona canô.
 Terras de Cabral
 Ipansotera 2 - Euclides Sandoval
 Bethânia, filha da dona canô.
 Chico, filho do sérgio. ;)
 Celso SIM
 BEAtriz Azevedo
 Kléber Albuquerque
 Oswaldo Montenegro
 CAZUZA
 Jorge MAUTNER
 Secretaria de Estado da Cultura
 Secretaria de Estado da Educação
 Cinema Brasileiro
 Escola no cinema - sábados de manhã.
 Cinema Francês
 Porta CURTAS
 Unibanco Artplex
 SPtrans
 Cine Bombril
 Teatro OFICINA
 Hsbc Belas Artes
 Oficinas Culturais
 Ilustrada no Cinema
 Making Off
 Apetesp
 Jornal de POESIA
 Vagalume, letras de música
 Cacilda !
 Petrobrás cultural, artistas...
 Tarsila
 Portinari
 outros pintores, Pitoresco
 ESTANTE Virtual
 Sebos online
 Sampa online
 CANAL Brasil
 Multishow
 TV Cultura - SP
 Historianet
 Centro Cultural SP
 Sibresites
 Cia Os SATYROS
 PINACOTECA de Sp
 Cinemateca Brasileira
 Museu da Imagem e do Som
 STUDIO SP - Augusta
 Internet Movie Database (IMBb)
 Sonetos
 MPB_Net
 Café História
 Ilustrema - Dan
 Fotolog Gambiarra
 CATRACA livre
 Secretaria Municipal de Cultura
 Obra em Progresso - Caê
 Bethânia - Reverso
 Centro de voluntariado - SP
 Youtube - Música de Bolso
 Youtube - Serra Azul
 Youtube - Tauil
 Arthur NESTROVSKI
 Cinefrance - no Br
 Wikipédia - Português
 Youtube - Mamamundi
 A HEBRAICA
 Ricci-arte | ótimo, de pintura
 Myspace - Cássia Maria [amiga]
 Tom Jazz
 HSBC Brasil
 Credicard Hall
 wikiquote - Roberto CAMPOS
 wikiquote - Marquês de SADE
 wikiquote - Oscar WILDE
 Casa das Rosas
 MASP
 Oriundi
 Editora Cia das Letras
 Editora 34
 Editora Iluminuras
 Multiply | Orfeu - estagnado.
 Escola Nova Lourenço Castanho
 Dicionário HOUAISS ( Uol )
 Youtube - Meu canal...
 Myspace - RAugusto [ meu ]
 facebook.
 twitter_@raugustos


 
ALMEJANDO O PORVIR [ pseudo blog ]


Janela da alma: uma crônica sobre ver e enxergar

“Que as forças cegas se domem pela visão que a alma tem!”Fernando Pessoa

Está na programação do Canal Brasil (Net/Sky) o documentário Janela da Alma (Brasil, 2002), de João Jardim e Walter Carvalho. São dezenove depoimentos sobre a visão, ou sobre a falta dela. O que se tenta é mostrar como diferentes graus de deficiência visual podem influenciar a vida das pessoas. No caso dos entrevistados, a preocupação com o “ver” é ainda mais presente e na maioria das vezes matéria-prima de trabalho, já que falamos de cineastas, atores, diretores e mesmo de um fotógrafo cego.

Com destaque para personalidades como José Saramago, Agnès Varda, Wim Wenders e Hermeto Paschoal, o filme é uma “colagem” onde as experiências e opiniões dessas pessoas estão intercaladas por imagens que buscam dar ao expectador a idéia do que é enxergar o mundo fora de foco, ou com muito foco. O título remete à citação atribuída a Leonardo Da Vinci de que “os olhos são a janela da alma e o espelho do mundo”.

A ordem das falas não é rígida e não parece haver um ponto de vista a ser defendido, o que torna o filme bastante informal e “leve”, mas não menos denso, já que as possibilidades de reflexão são inúmeras, dependendo também das experiências de vida de cada espectador. Difícil assistir ao filme e não sentir imediata empatia por pessoas como Hermeto Paschoal ou pelo simpático vereador cego da cidade de Belo Horizonte, cidade cujo nome está coincidentemente vinculado ao tema do filme.

Reveladoras são as falas da cineasta Agnès Varda e da animadora Marjut Rimminen. A primeira conta como o amor pelo falecido marido Jacques Démy influenciou seu olhar. Segundo ela, há coisas que só um olhar apaixonado é capaz de perceber. Ao mesmo tempo, ao filmá-lo já doente e poucos meses antes de sua morte, ela mostra como registrar cada ínfimo detalhe da pele dele (coisa que realmente só interessa a quem ama) acaba sendo uma forma de lutar para não perdê-lo. É o registro que tantas vezes é vital para nos lembrarmos do que somos e do que sentimos, a imagem que capturamos e que se torna parte de nós. Já Marjut Rimminen fala não do que vemos, mas de como somos vistos. Todo o trabalho dela com cinema de animação é pautado pelo sentimento de ser vista como alguém incapaz, uma pessoa a ser excluída ou subestimada por sua deficiência, e o depoimento dela fala de como tal sentimento influenciou sua vida e até proporcionou seu sucesso.

Não menos importante, e provavelmente a mais lembrada do filme, é a declaração de Wim Wenders, diretor de “Asas do Desejo”, de que já tentou usar lentes de contato, mas abandonou-as porque desta maneira acabava “vendo demais” e sentia falta da “moldura” que só os óculos são capazes de oferecer ao seu olhar. O paralelo óbvio, mas que não deixa de ser verdadeiro, é com o mundo moderno, onde somos bombardeados por informações e imagens como em um constante vídeo clipe. Talvez nos falte realmente uma moldura que nos permita enxergar apenas aquilo que realmente precisamos observar com atenção. Mesmo o ritmo bastante próprio do filme, aparentemente lento, pode causar estranhamento às pessoas da “geração MTV”.

O fato é que o filme toca, mesmo que involuntariamente talvez, uma antiga questão filosófica: a beleza é inerente ao mundo ou só existe porque somos capazes de percebê-la através da visão? Depoimentos como os de Hermeto Paschoal ou de Oliver Sacks apontam para a constatação de que realmente vivemos a “domar as forças cegas do mundo”, atribuindo automaticamente significado ao que vemos. Parece ser realmente impossível ver sem sentir (o contrário não é verdadeiro). O que nossas retinas captam é apenas uma pequena parte daquilo que enxergamos. Ainda bem, pois nossa alma é capaz de criar infinitos mundos além do “real”, e todos eles podem estar visíveis através da “janela”, também para quem está de fora.

Ao sair do cinema - quando vi o filme pela primeira vez, em 2002 - fui questionado sobre o fato de estar sem os óculos, já que a luminosidade da tela costuma agredir meus olhos. Pensei comigo que nem havia dado pela falta deles, e que há muito para ver em “Janela da Alma”, mesmo com a imagem um tanto desfocada.

- extraído do blog Hedonismos [http://www.interney.net/blogs/hedonismos/ ]



Escrito por raugustos às 20h10
[] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]